sábado, 10 de outubro de 2009

o respeitável CIRCO da vida

Sentia-se artista. Um malabarista da vida. À cada hora equilibrando alguma coisa. Equilibrava-se em sua corda-bamba. Ora caia, ora ficava em pé. Era desempregado. Fazia bico. Fazia mágica para sobrar dinheiro. Mas, não sobrava, não. Matava um leão por dia. Era feliz assim mesmo. Com fome de pipoca e algodão-doce. Desejava que a vida fosse uma matinê de domingo. E sonhava. Sorria...
...como um saltimbanco trapalhão.

Só não gostava de ser palhaço do coração dela.

7 comentários:

Bruno Moreno disse...

no globo, os artistas da morte.

David Sento-Sé disse...

Touchee. Perfeito.

Claudinha ღ disse...

"Éricaaaa... que texto é esse??? De onde vc tira inspiração pra tudo isso? Conta ai. Muito bom, é um jogo de palavras, uma mistura coerente demais... onde nem se imagina vc cria. muito bom.
.

...Só não gostava de ser palhaço do coração dela... Parece que a vida é mais fácil no picadeiro aqui fora, cambaleando na corda, desequilibrando os malabares ou sem conseguir matar seus leões.."
att: Claudinha

Erica Ferro disse...

Pooooxa, Erica!
Adorei esse texto, muito lindo, tocante...!
Gostei muito do teu espaço. ;)

•••
Olha, que bom que você gostou do Sacudindo Palavras e dos meus devaneios. ^^
Fico feliz, viu? ^^
Volte sempre que sentir aquela vontade... enfim, saudade.
Tô te seguindo!
Beijo grande.

A Magia da Noite disse...

Às vezes temos de fingir aquilo que não gostamos de ser.

Giselle Costa disse...

... ninguém gosta desse papel quando se fala de amor.

Vc é um show !! rs

bjs flor !

Ana, disse...

adorei a comparação.. seguindo :D
se tiver um tempinho dentro deste grande circo passa lá no blog,
http://dreams-are-gone.blogspot.com
beijooos :*