segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Eu sempre te esperei

Quando o amor é de verdade, sentimos uma calmaria dentro do peito. E não precisa perguntar a razão nem o porquê, o coração sabe. Os olhos, vaga-lumes, sabem. O sorriso sabor de mel, sabe. E tudo é tempo bom para velejar. O medo, bobo, vem e vai. Vai e vem. Como se fosse vento, que não sabe se despedir. Mas não há porto para a sua chegada. Porque o amor verdadeiro já se instalou aqui. Eu sei...

... e meu coração sabe também.


(Eu sempre te esperei)

8 comentários:

Ela disse...

Adorei, Parabéns pelo Blog!

Solange Maia disse...

ai...
que momento mais delicioso...

que palavras fluidas...

ah... o amor...

beijo grande !!!!

olhar disse...

aproveitaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!!!!!!!!!!!!


beijos em seu coração!

Bia

Allyne Araújo disse...

aiii a Erica tu foi das mais apaixondas neste poema dai... lindo!!! bjooo

Luna Sanchez disse...

O medo vem e vai mesmo. Às vezes demora mais pra voltar. Depende...

Um beijo.

Ana Andreolli disse...

ai Erica, isso foi assim, lindo demais pra ficar só nesse blog, vou espalhar!

As Flores e Eu disse...

Admiro a forma como diz muito em poucas linhas.
Beijos

Anthony Dostoiévski disse...

É aquele momento em que dizemos, pela milhonésima vez, "é você", mesmo que não seja no futuro, mas o nosso coração sempre espera que seja...

http://acasaeorestodarua.blogspot.com/
curte ai o meu novo blog...

braço e bom texto