quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Platônico

-Amor.
Ele não disse. Não sussurrou. Nem pensou alto. Mas, ela ouviu. Quis ouvir. Interpretou assim em razão de um gesto. Não, ele não mandou flores. Bombons. Nem cartão com palavras bonitas. Ele só ofereceu uma carona para o mesmo lado...

E ela ouviu 'AMOR', já que poderia ter ido à pé.

9 comentários:

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

As vezes precisa-se de tão pouco para enxergar o amor.

Abraços

Marco A. disse...

O simples cotidiano mudando o sentir; em sua mais bela foma do viver; o amor ...

Peço desculpas pela demora em lhe visitar.

Abraços Marco

Fernanda disse...

ela tinha uma boa audição.Ouvia com amor.

Anthony Dostoiévski disse...

O amor não tem hora nem estação, apenas acontece...
né?

bjim e bom texto

Erica Ferro disse...

E eu vi amor em um sorriso, um sorriso numa foto. A foto.

Beijo, Erica, xará minha.

Ferdi disse...

Quando eu era assim, não precisava nem de carona, qualquer olhar, pra mim, era uma declaração bonita.

Natália Corrêa disse...

Espero que ela não tenha ouvido errado.

francielle. disse...

texto magnífico!!

Sofia Borges disse...

tomara que este amor, seja verdadeiro e que dure.. para não haver sofrimentos.

obrigada pelos parabéns, tudo em dobro pra ti.

beijos!