sábado, 9 de janeiro de 2010

Há muito barulho lá fora

A solidão é velha companheira de estrada para quem escreve. Por isso, os escritores são tão mal compreendidos. Eles trocam o agito da noite pelo silêncio do quarto. Pela página em branco. E vivem falando sozinhos, dialogando com a própria imaginação. E inventam pessoas, criam sabores e descrevem momentos. Como se estes fossem objetos que pudessem ser detalhados e embrulhados para presente. E se são amados, não sabem; estes pobres poetas. Mas amam. Loucamente. Sempre. E pela última vez.


Uma vez me falaram, se eu amasse de uma maneira que desse certo; eu pararia de escrever. (Caio Fernando, obviamente.)

15 comentários:

Solange Maia disse...

obrigada por isso Erica.

iluminou meu dia.

carinho,

Solange

Fernanda disse...

Sabe que eu acho que o segredo dos grandes escritores é a descepção geralmente amorosa,enquanto o dia está lá,cheio de luz,ele fica quietinho em casa em frente o lápis e o papel,toda escolha tem seu preço né e Caio fernando escolheu isso,e que bom!Ate hoje suas palavras trazem inspiração e dizem o que tentamos dizer,mas não conseguimos...

Natacia Araújo disse...

Os poetas sofrem de um tédio aparente e de uma ansiedade criativa.
Belo!

marinaCavalcante disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marinaCavalcante disse...

Uou!

Esse texto foi mais um presente
pro seu blog.

Muito bom!

Beijos!

-
Quanto as últimas frases,
exito em concordar;
Não abandonam seus textos
os felizes no amor.

E se não for interessante
para outros poetas estes versos
alegres, ainda assim há a possibilidade da imaginação
- com a qual o poeta
(feliz no amor ou não) sempre dialoga, como mencionaste. =]

Mariana Andrade. disse...

poeta cria sol de madrugada, quando quer motivação pra poetar.

lindissimo, erica (: e caio fernando é maravilhoso! sou muito fã dele.

. disse...

Eu colar uma parte preferida aqui, mas percebi que ia acabar selecionando tudo! rs!

Já subentendido, adorei.
Beijos!

disse...

Lindeza. Nunca pensei que a verdade pudesse ser encontrada e simplicada em poucas palavras. Só você mesmo... haha


Esse trecho do Caio Fernando é um dos meus favoritos... *-*

Anthony Dostoiévski disse...

Ser escritor é uma maldição em muitos casos, não que toda maldição seja ruim, mas elas sempre trazem um fardo muito pesado.
Ser escritor é dar um mundo de imaginação ao resto do mundo, é fazer com que pessoas possam ter histórias para os seus sonhos e romances, fazer encontros perfeitos e coisas assim...
Os escritores amam, mas amam para os outros, pois os seus não conseguem ser postos em livros...

bjim e bom texto

Sophia disse...

Prefiro as palavras em um quarto vazio, a amores em um lugar qualquer. Prefiro as palavras e um fingimento de poeta.
Prefiro as palavras.

Gisa disse...

Se for verdade, sinta-se amada. :)
A arte de escrever é um dom muito especial, feliz daqueles que sabem criar.

Um mega
Gi

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Escrever é a nossa mais fiel cia.

"O silêncio que esse barulho me traz, temos que ir juntos até o nunca mais"

Tocaste minha alma com suas palavras...

David Sento-Sé disse...

O poeta ama em fim suas palavras.
Em princípio, elas não o traem, não o censuram, não questionam a ele os sentidos ou apuram lógica qualquer. Palavras lhe são carinhosas quando assim ele as necessita e duras o quanto preciso o é. Fiéis seguidoras, as letras alinhavadas, costuram suas carências, vazios e pedaços rasgados do coração. Bem ajuntadas, proporcionam-lhe a lascívia enquanto ele seduz-se na grita por prazer sem culpa. Se por ira ele escreve, mesmo assim, os versos lhe serão fiéis e desejáveis.
Amáveis ou cruéis, palavras são verdadeiras aos ouvidos do poeta e sendo de próprio punho serão as únicas coisas verdadeiramente suas. Para sempre, suas em sua solidão.

Vanessa Mello disse...

Sem palavras ...
É tudo que eu gostaria de ler, para entender-se comum ao grupo de escritores.

Nos somos fonte de inspiração!

Meus agradecimentos por escrever essas maravilhas, pq sempre to de olho por aqui. rsrs

ErikaH Azzevedo disse...

Mania que tb era a minha de achar que só conseguia escrever no que me fazia desequilibrar, perder a paz dos dias, no que me era conflitual...hj não mais sinto assim KInha, consigo escrever o doce, o quente e o suave dos momentos com a mesma intensidade e sou muito mais feliz por isso.

bjinho

Erikah