sexta-feira, 28 de maio de 2010

A Falta que Ele me Faz

Não estava acostumada mais a dormir sem ele. Tantos anos juntos. Era só esticar os braços e poderia tocá-lo. Tão meu. Todo meu. Era sempre o seu timbre que me acordava. Suavemente, cantarolando a nossa canção à cada manhã, como se fosse uma oração de bom dia para os meus ouvidos, como se fosse uma prece de boa sorte: Vai que o mundo te espera. Que poder que ele possuía sobre mim? Indagava-me. Em qual intensidade? E descobri da pior maneira possível: com o seu silêncio. Com a sua ausência percebi que o seu poder era total. Ele já possuía minha alma, meus contatos e minha vida. Não conseguia mais viver sem ele.
O primeiro dia sozinha, como já imaginava, foi terrível: perdi a hora, cheguei atrasada ao serviço e estava sempre procurando algo. Algo que me faltava, como se ele fosse uma extensão de mim. E era. Ele era uma extensão de mim. Dependência total.
Os outros dias que se seguiram, não foram tão diferentes assim: silêncio, falta e desespero. E um dia, na solidão da noite e na loucura que ela traz, me vi perguntando se ele também não se sentia sozinho. Se sentia a minha falta? Loucura eu sei, mas perguntei.
E éramos parecidos, semelhantes. Eu o transformei em minha própria cópia (eu a criadora, ele a criatura). Tínhamos os mesmos detalhes e ele carregava o meu nome tatuado no corpo com estilete. Fiz isso movida pelo medo mórbido de perdê-lo , de me roubarem, de ser trocada. E se fosse, estaria lá para sempre estampado para que todos soubessem: ele já foi meu, já o possuí.
E como se o tempo tivesse preguiça de passar a semana arrastou-se sem graça, sem novidade e sem nenhum telefonema. Até os amigos se afastaram.
E depois de quinze dias (este foi o prazo estipulado) fui procurá-lo. Cheguei à assistência técnica e perguntei:
- Por favor, o meu celular ficou pronto? Vocês não fazem idéia da falta que ele me faz!
Estava. Sai feliz...

...Ele me acordaria na manhã seguinte.


(Texto velho para uma falta nova de não saber o que escrever)

24 comentários:

Me disse...

érica, adorei!rsss
vc me pegou!rsss
bjo, ótimo findi!

Priscila Rôde disse...

Ai poxa, não esperava por essa! kkk

Solange Maia disse...

gente.... me surpreendeu....

risos...

beijocas Erica

Erica Ferro disse...

Huahuahauha. Gostei, gostei!

Pensei que teria outro fim, mas você me surpreendeu. Gostei mais ainda.

Mulher na Polícia disse...

hahahahahaha

Criatura!
Vc não existe?

Você criou mesmo um verbo novo, palavriar...

Boas palavras.

Allyne Araújo disse...

srsrsrsrsr eu tava lendo com uma dorzinha ja, quando foi vê que era sobre o celular,... cai na risada total... muito bom!!!!! bjao!!!

Barbara disse...

Pegou todo mundo hein!?
Sinal de que convence.

Nara disse...

Eu ri! ahushaushaushaa

Também não vivo seu ele! Meu bem *-*
meu celular! ahushaushasua


Beijo,
Nara

Angel disse...

Sabia que ele ia ligar... Ôh coração que torce pelo final feliz, viu! rs.

Abraço, flor!

Carla Sampaio disse...

Euri!

Uma modalidade nova, hein?
Me lembrou José Dantas!

Ana Paula =D disse...

Tee seguindo :DDD

Brilho da Lua disse...

Adorei...interessante é que num primeiro momento, estava realmente comovida, como se aflita esperasse um desfeixe felis...pensei ela não postaria algo tão intimo se o final não fosse colorido...E de fato foi colorido, e sorridente, cai na gargalhada com minha comossão.
kkkkkkk

Beijoks
Aryane Pinheiro.:

João Fernando disse...

Pelo jeito, tá faltando um "Platônico" ainda... rs...
- 10 !

João Fernando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luna Sanchez disse...

Rs...com cada vez mais funções, a gente fica mais e mais "dependente" desses bichinhos, mesmo.

:p

Beijocas, boa semana, querida!

ℓυηα

Tahiana Andrade disse...

Perfeitoooooooooo... eu aqui, toda deslumbrada com o final dessa história de 'amor'... rs.
Sempre excessiva em sua criatividade!

Beijos

Tahiana Andrade disse...

Perfeitoooooooooo... eu aqui, toda deslumbrada com o final dessa história de 'amor'... rs.
Sempre excessiva em sua criatividade!

Beijos

Ágatha Alves disse...

rsrs adorei mesmo
e eu realmente epnsanod que era uma pessoa, o final foi genial hahaha
muito bom flor
beijos

Em@ disse...

ah...ah...ah.
eu pensei sempre num despertador...pronto mas um celular tem despertador também.
gostei muito, Erica.
beijo

Anthony Dostoiévski disse...

Ahahahahahaha...
que lindo...
adorei o texto. brincar com as palavras é um perigo, mas você sabe onde mora esse perigo e usa bem.

Bjim e bom texto

Buba. disse...

Ultimamente ando nessa fase também, de usar textos velhos, por falta de novos. Mas, os textos não envelhecem! Adorei.

Robson disse...

Eu queria que alguém me amasse a metade do que você ama seu celular...rsrsrs

Foi a melhor "pegadinha do malandro" que já vi! adorei!! rsrs

Léo Santos disse...

Parabéns pela criatividade! Felizmente posso ficar tranquilo com relação a isso, pois, há anos sou adepto do movimento sem celular e tenho conseguido ser feliz sem a engenhoca!

Um abraço!

Leni disse...

OIJSAIOSJIAOSJIOA...durante o texto, várias coisas me passarram na cabeça pra lhe falram, e quando chego no final, me deparo com essa! Não esperava realmente!! Adorei o/ hehe
beijos