segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Máquina do tempo

Ontem eu fui para o futuro, olha que contradição. Lá, não existia nós dois. E eu não me lembrava do seu sorriso. Quem era você mesmo? Voltei triste para o presente. E tudo está tão vazio igual. Sem cartas nem lembretes.    Quis então me agarrar ao passado. Mas as fotografias não falam. Já vivemos o que vivemos...

... e o tempo não para, meu amor.

4 comentários:

Henrique Miné disse...

mas as vezes parece não passar. Não sei o que é pior..

beeijo!

Carolina Santiago disse...

Estou passando para deixar minha pegada no seu blog e dizer que o adoro!

Quando puder, dá uma passadinha no meu. <3

Beijos

Anônimo disse...

Hello. And Bye.

Giovanna Cóppola disse...

Sempre é tempo de resgatar as coisas boas!
Beijos