segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sobre jardins

Depois da semeadura, a espera.
Florecerá o amor que plantei em seu coração?
Qual será o fruto de nós dois?
Quão rigoroso pode ser um inverno?
Espero.
E inauguro uma esperança breve...


... feito flor de montanha, que ninguém vê.

8 comentários:

olhar disse...

para isto existem os "adubos"....eles são mágicos...acredite!

Um beijo em você!

Bia

Ana Andreolli disse...

que sejam os melhores frutos, que a gente estoca na primavera, pra poder curtir no inverno.

Leonardo B. disse...

[essa a palavra, essa imensa terra que recebe da estação, a tinta que se alimenta no poema]

um abraço,

Leonardo B.

Erica Ferro disse...

Que ninguém vê, mas existe.

Lindo, Erica. Sempre lindo!

Beijo.

Dona da Cômoda disse...

Essas florzinhas de montanha, florzinhas de cerrado, que quase ninguém põe reparo... são resistentes...;)

Crispi. disse...

ás vezes demora, mas quando vem, faz valer a pena. Lindo!

Miily ;* disse...

Nossa quanta delicadeza nas palavras, é sem dúvidas envolvente.
Amei passear um pouco pelo seu plantio, e não tem nada mais agradável que colher, quando foi algo que plantamos com carinho e pura dedicação não é mesmo? E que sem muitas expectativas, sua colheita possa lhe surpreender belamente.

Tô seguindo viiu? Bj, e sucesso :*

Mikaele Tavares disse...

Oi Erica,
Que bom voltar a bloggar rsrs
Sempre um prazer vim aqui no teu blog e ler palavras apaixonantes.Bjs